sábado, 10 de julho de 2010

Ferrovia Mairinque-Santos: Mais uma grande obra esquecida


Em tempos que todos estão falando de melhorar o sistema de transportes brasileiro para a Copa do Mundo, vamos voltar um pouco na história e falar um pouco sobre uma das obras de mais difícil execução no Brasil, a construção da linha ferroviária Mairinque-Santos. A foto mostra o início do trabalho em 1927, em meio a um cenário pobre: o chão que receberia as armações de ferro e madeira dos trilhos por cima de uma camada de pedra britada estava toscamente tratado, rasgando as montanhas paulistas. O que viria a seguir eram obras de arte e engenhosas soluções – destaque para os túneis em solos inconsistentes – dignas de orgulho da engenharia brasileira.
A ferrovia não foi construída por luxo da engenharia brasileira, mas uma maneira de fazer frente a São Paulo Railway (SPR), uma empresa “inglesa”, que detinha o monopólio e poder sobre o transporte comercial, tanto no sentido São Paulo-Santos, levando o café para a exportação e no sentido Santos-São Paulo, trazendo as mercadorias importadas. Estima-se que a SPR causou um prejuízo de 300 mil contos de réis (muito dinheiro) para o comércio paulista. O maior problema com a SPR eram as altas tarifas cobradas.
Sabendo de todos os problemas enfrentados o governo paulista precisava de uma alternativa de transporte. Assim que aprovada a obra, o engenheiro Gaspar Ricardo Júnior designou uma viagem de expedição de reconhecimento do terreno em 1927, no entanto, não se desviou muito do traçado de um projeto já existente desde 1892, estudado pelo engenheiro Carlos Schmidt. Depois de um mês estavam prontos para começar a obra. A construção foi executada em duas frentes, uma ascendente e outra descendente a serra.
A obra foi complicadíssima, devido ao difícil acesso, já que a SPR possuia “zonas de privilégio”. Porém as dificuldades foram muito além do que abertura de túneis (sendo a maior parte em curva), confecção de vigas de cimento armado sobre grotas, abismos, córregos e rios e assentamento dos trilhos em rampas. Muitos operários tiveram algum tipo de doença durante a construção, e pela manhã, e às vezes durante o dia inteiro, a neblina deixava o ambiente invisível. Além de muitas chuvas, vilãs das construções. Estes foram alguns dos fatos que dificultaram ainda mais um empreendimento já de difícil execução por si só.
Em 1937, com os trilhos prontos, começaram oficialmente os transportes pelo novo caminho, acabando com os privilégios da SPR.
A ferrovia Mairinque-Santos é obra projetada e executada por brasileiros exclusivamente, e por isso é uma obra que orgulha a engenharia nacional. Devemos agradecer cada engenheiro, médico e trabalhador que fez parte dessa construção magnífica.
Hoje a via é pouquíssima utilizada, mas existem projetos do governo do estado para unir suas linhas a um futuro Ferroanel, que circulará a região metropolitana de São Paulo.




Infelizmente são muitos os grandes e importantes empreendimentos que caem no esquecimento no nosso país. Boa parte por questões de rixa política ou algo do tipo.

(F. Coutinho)

7 comentários:

João Carlos disse...

Se usassem essa ferrovia para turismo seria muito legal !

Mateus Cussiol Cardoso disse...

Ótima postagem sobre uma grandiosa obra da engenharia nacional, a construção da Mairinque-Santos confunde-se com a história da própria Estrada de Ferro Sorocabana (EFS).

Hoje a linha é consideravelmente utilizada, nela passa um volume de carga absurdo, principalmente de granéis, com o advento da tração distribuída muitas composições operam com 4 ou até 5 locomotivas de até 4.400hp.

Composições que facilmente ultrapassam os 100 vagões, controladas por monocondução.

Vejam só vocês o tamanho desafio que é manter um "trem" desses nos trilhos, em um plano inclinado através de simples aderência, por pontes, viadutos, túneis, abismos.

Eis o fascínio que a Ferrovia exerce!

puma gts 78 disse...

essa ferrovia linha mayrynk santos ,já está super congestionada , estão construindo a segunda linha.. ,morei 15 anos em mario souto ,, cidade da ferrovia graças a setor privado da all

Unknown disse...

Essa ferrovia conheço-a como a palma da minha mão. Muito bela e formosa, com suas inúmeras cachoeiras, túneis, pontes e uma mata atlântica magnífica. O que me encanta nisso tudo não é a beleza em si da ferrovia, mas sim, as pessoas que tiveram a boa idéia de idealizarem.

Eram pessoas que não viam no imediatismo a solução para os problemas, e sim, projetos de amplitudes bem mais significativas. Basta analisar e observar que esta ferrovia foi construida por volta dos anos 30 e até hoje circulam por ela máquinas que jamais - seus idealizadores, acredito eu - pudessem existir.

Uma ferrovia de importância econômica única para o Estado de São Paulo. Que interesses econômicos tão escusos estão por trás disso em que os governos estão deixando de investir nesse tão importante meio de transporte. O que justifica isso?

Porque o Brasil anda na contramão dos outros paises, cujos investimentos em ferrovias são bem mais significativos. São Paulo tem um problema gravíssimo de transporte público, e no entanto, desativaram a via que tinhamos de acesso entre São Paulo Capital a Santos via ferrovia. Seus trilhos foram tirados e a via desativada. Quantos carros poderiam ser tirados das rodovias e o quanto facilitariam para as pessoas que na região poderiam ir ao trabalho utilizando esse meio de transporte.

Pois é assim que faço esse pequeno comentário de indignação, e penso: "Será que um dia teremos ainda pessoas que pensam num Brasil melhor como os de antigamente?"

Jucelino com a construção de Brasília, Getúlio Vargas a Petrobras e outros...

ACORDA BRASIL!!!

Marcopolo disse...

Os interesses escusos que travam a expansão das ferrovias no Brasil e especificamente em São Paulo nascem da suposta associação viciada de interesses do setor rodoviário e políticos obtusos. Uma nova geração deverá surgir e esta sim colocará o país nos trilhos certos.

jose luiz disse...

Meu bisavò ,karl von ghebardt,veioda Alemanha,para trabalhar na ferrovia,Santos -são paulo,em meados de 1880,Alto da Serra/hj Paranapiacaba,tenho fotos da construção/estação/trens,a quem possa interessar,Arquivos historicos e Acervos e Museus,favor contatar pelo email de:zecapomer@hotmail.com
Professor Jose Luiz Amaral de oliveira

Marco Machado disse...

Olá Pessoal, ótimo site.
Estou fazendo um trabalho histórico sobre a antiga Fazenda Santa Ana do Acarhú (ano 1680)/1880) por lá passa a antiga ferrovia Estrada de Ferro São Paulo Railway.
E para dar continuidade estou a procura de informações sobre as plantas e projetos da da construção da antiga ferrovia, caso alguém saiba para onde foi para essas plantas que estejam dentro do período que vai de 1880 a 1910. Desde já fico grato pela atenção.
marco antonio campos machado.
marco.machado.sp@bol.com.br
Blogs relacionadas a centenária Fazenda:
http://fazendasantaannadoacarau.blogspot.com.br/
http://sitiocesarmachadoemsaovicente.blogspot.com.br/