terça-feira, 12 de maio de 2009

Planejamento urbano inteligente na Alemanha

Basta lembrar dos filmes e livros com previsões de futuro a algumas décadas atrás que vemos diversas idéias que não deram e não darão certo muito provavelmente. Uma multidão de carros flutuantes seguindo ruas suspensas por entre a cidade cheia de mega torres era uma dessas previsões que a cada dia podemos observar que nunca sairão da ficção.
Isso porque nos deparamos agora com o "Planejamento Inteligente". É o nome dado ao tipo de urbanismo não tão novo em teoria mas que recentemente foi implantado numa periferia da cidade alemã Freiburg, próxima a fronteira com a Suíça.
Esse novo bairro é completamente sem carros. Há nele apenas uma rua principal por onde passa o transporte urbano e algumas ruas ao redor com acesso de veículos, o restante é liberado apenas para pedestres e bicicletas. O morador pode ter seu veículo, porém deve comprar sua vaga em uma das duas garagens localizadas nas extremidades do bairro, que saí por um valor de aproximadamente €30.000,00.

Vauban: um bairro planejado com inteligência

O resultado disso é que 70% dos moradores de Vauban, na periferia de Freiburg, não têm carros. E 57% são novos moradores que venderam seus carros para se mudarem para lá.
Esse é com certeza um novo passo nas áreas urbanas de todo mundo, que por bem ou por mal, terão que reduzir o numero de veículos. Hoje estima-se que em média na Europa, 12% dos gases causadores do efeito estufa são gerados pelos automóveis. Em algumas cidades dos Estados Unidos, essa porcentagem chega a ser muito maior, 50%.
Vauban tem cerca de 5.500 habitantes em uma área de aproximadamente 2,6 quilômetros quadrados. É a experiência mais avançada de áreas urbanas com baixa utilização de automóveis que deve servir de exemplo pelo mundo afora. Nele ocorre um tipo de comércio feito de pequenos estabelecimentos ao longo dos calçadões ou em uma rua principal, e não mega shopping centers distantes rodeados por estradas.

(L. M. Alves)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Açucar branquinho e mais saudável

Desde meados de 2005, usinas de açucar começaram um processo de mudança de tecnologia ao utilizar ozônio ao invés de enxofre no clareamento do açucar. O novo processo passou a ser usado inicialmente na Paraíba, e hoje já é comum encontrar usinas em todo Nordeste, em São Paulo, Minas Gerais e no Centro-Oeste.
É um projeto realizado pelo engenheiro Raimundo Nonato Coelho Silton, paraibano que entre novembro e dezembro de 2004 realizou o teste piloto de seus experimentos conseguindo a produção de um açucar mais saudável reduzindo a quantidade de enxofre a zero e reduzindo também grande percentual de cal.
Para esse processo é necessário um equipamento fabricado pela Gasil, empresa financiadora da pesquisa. Esse equipamento é capaz de gerar 7,2kg por hora e utiliza uma mistura de oxigênio com argônio. Durante a produção agora é relevante a ausência do mau cheiro causado pelo enxofre, além da diminuiçao dos custos.


Apesar de saudável e economicamente viável, ainda não foi possível notar diferença nas exportações. Espera-se que em pouco tempo o açucar brasileiro tome um espaço maior internacionalmente, até que empresas pelo mundo todo passem a usar essa nova tecnologia.

(L. M. Alves)