sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A nova ponte de Manaus não permite bicicletas...

Essa é só uma nota sobre o absurdo ocorrido em Manaus. Uma ponte, feita com dinheiro público - ou seja, dinheiro de todos - está restrita apenas a quem tem carro. Por que será que os governantes da região acham que uma pessoa que trafega com um veículo que ocupa mais espaço, é capaz de matar e de polui o ar, é mais importante que uma pessoa que pratica esporte ao se locomover sem poluir e sem trazer perigo a ninguém? Atitude lastimável.
Vale lebrar que falamos de duas cidades planas onde na teoria a bicicleta pode ser vista como um meio de transporte de acesso de quase todos.
Basta esperar que forças populares - ou excesso de infrações - mudem essa regra sem sentido, para que todos possam aproveitar da ponte, tanto como um caminho rápido entre Manaus e Iranduba, quanto como um ponto turístico a se visitar.




(L. M. Alves)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Ciclofaixa de Moema: mais qualidade de vida pra São Paulo

No sábado, dia 5 de novembro de 2011, passou a funcionar a ciclofaixa de Moema, em São Paulo. Uma rota pequena, interligada por ciclo-rotas perpendiculares proporcionaram mais segurança à vida dos ciclistas e pedestres, e estão re-organizando o trânsito na região. É uma obra pioneira na cidade por ter sido feita compartilhando a área dos veículos e alterando algumas faixas e áreas de estacionamento.
Em nota de alguns jornais durante os primeiros dias
de funcionamento, é dito que nesse início de funcionamento pode ser observado certa confusão entre os motoristas. Porém, como todo novo modelo de trânsito implantado: há um certo tempo de adaptação. A associação de moradores da região protesta contra a ciclofaixa - uma prova clara de que o país não está preparado para ser primeiro mundo, ou não tem educação suficiente para tal - porém, a princípio, a CET mantém o funcionamento normalmente e programa reuniões para discussões e possíveis adaptações.
A implantação dessa ciclofaixa foi de uma coragem memorável da prefeitura, que mesmo deixando totalmente de lado a implantação da malha de corredores de ônibus, têm se mostrado favorável às ciclofaixa, tanto para prática de esportes em horários não comerciais, como para transporte - agora com a ciclofaixa de Moema. As fotos mostram a ciclofaixa, próxima aos padrões usados em cidades européias, onde não há separação por guias ou barreiras entre os veículos e as bicicletas, sendo esta feita por sinalização horizontal e vertical, com pinturas no pavimento e placas nas esquinas.

Ciclovia em funcionamento

O comércio da região também reclama e afirma ter diminuído o movimento. Algo totalmente sem fundamento até o momento: é impossível saber se realmente afetará o volume de compras das lojas, tanto pra mais como pra menos, em apenas 3 dias úteis de funcionamento. É simplesmente um medo - ou um repúdio - ao que é novo, mesmo que este 'novo' possa melhorar a vida de todos. Os motoristas que protestam contra, simplesmente não querem mudar o que já está ruim, mesmo que seja pra melhor, caso tenham que arriscar piorar um pouco mais.
O fato é que está melhor, e melhor pra todos. Falta apenas um pouco de coragem e visão aos moradores e comerciantes.
Assim como falta essa mesma coragem aos políticos para implantar os corredores e aumentar a qualidade do transporte de quem, por opção ou necessidade, resolve usar o público e coletivo, ao invés do privado e individual.


Ciclovia em horário de pico

Da mesma maneira que falta um pouco mais de coragem aos políticos para implantarem mais e mais ciclofaixas, melhorando a qualidade de vida da população, e beneficiando os que fazem suas viagens diárias gerando zero carbono e ocupando um espaço justo na via. Esperamos que mais modificações como essa sejam feitas por toda a cidade e que menos atitudes individualistas e pró-carros como a da associação ocorram. Talvez assim caminhemos pra uma cidade melhor de se viver onde um simples 'andar de bicicleta' não seja algo apenas para os mais corajosos.

(L. Alves)